in

Especial de Páscoa: Relembre dez clássicos do futebol que terminaram em chocolate

Relembre o top dez de grandes goleadas em clássicos do futebol mundial.

Em época de Páscoa, nada melhor que relembrar alguns memoráveis jogos de futebol que terminaram em chocolate. Grandes goleadas são incomuns em clássicos e jamais saem da memória dos torcedores. Certamente alguns ficarão fora desta lista e você poderá deixar sua contribuição nos comentários. Sem perder tempo, relembremos alguns massacres em clássicos brasileiros e internacionais disputados nos últimos anos. Vamos a eles:

10 – Grêmio 2 x 5 Internacional – No dia 24/08/1997, pelo Campeonato Brasileiro, o endiabrado Fabiano comandou o chocolate vermelho em pleno estádio Olímpico. Com dois gols e uma assistência, o camisa 7 infernizou a zaga tricolor formada por Arce, Rivarola, Luciano e André Santos, proporcionando uma das poucas alegrias que os colorados tiveram na década de 90. Mesmo sem vencer um título de expressão pelo clube, Fabiano, a partir desse clássico, tornaria-se ídolo da torcida e ganharia o rótulo de “homem Grenal”.

9 – Vasco 5 x 1 Flamengo – Na final da Taça Guanabara, dia 20/04/2000, o Vasco passou o carro no rubro-negro. O gigante da colina tinha um timaço (Felipe, Pedrinho, Viola, Romário) e não perdoou o rival. Só o baixinho marcou três vezes. A curiosidade é que o jogo foi disputado no domingo de páscoa e antes da partida foram distribuídos ovos de chocolate aos cruzmaltinos que foram ao Maracanã. Depois do jogo, o folclórico Eurico Miranda, presidente do Vasco, não exitou em provocar o rival. “Teve chocolate dentro e fora de campo”, ironizou o cartola.

8 – Cruzeiro 6 x 1 Atlético Mineiro – Era a última rodada do Campeonato Brasileiro de 2011 (04/12/2011) e a raposa corria sérios riscos de rebaixamento. Entretanto, além de não conseguir rebaixar o rival, o galo foi massacrado na Arena do Jacaré em Sete Lagoas. Neste dia, o clube perdeu a chance de afundar o Cruzeiro e teve que cancelar a festa. Boa parte dos jogadores foi duramente cobrado pela torcida atleticana por não ter encarado o jogo como uma decisão. Foi um chocolate bastante amargo.

7 – Atlético Mineiro 4 x 0 Cruzeiro – Em 2007, o Galo conquistou o Campeonato Mineiro aplicando uma goleada sobre o rival na 1ª partida da final (29/04/2007). Apesar de entrar na final como favorito, o Cruzeiro foi envolvido pelos velozes Danilinho, Marcinho e Éder Luis. O jogo ainda ficou marcado pelo gol bizarro que o goleiro Fábio sofreu no fim da partida. O arqueiro simplesmente estava de costas para a bola e nem viu o que aconteceu. Típico lance de final de pelada. A zoeira nunca foi esquecida pela massa atleticana e até hoje o goleiro cruzeirense sobre com as provocações.

6 – Grêmio 5 x 0 Internacional – No Brasileirão de 2015 – Em 09/08/2015, foi a vez do Grêmio impor uma goleada impiedosa sobre o maior rival. No domingo de dia dos pais, o Inter não viu a cor da bola durante todo o jogo realizado na Arena. Entre outras curiosidades, o clássico foi marcado pela trapalhada do presidente colorado Vitorio Piffero, que demitiu o técnico Diego Aguirre poucos dias antes do jogo, com a intenção de criar um fato novo à equipe. Réver, que marcou o 5º gol contra, até hoje está procurando Luan, Pedro Rocha e Fernandinho.

5 – Corinthians 7 x 1 Santos – Na caminhada do título Brasileiro de 2005, o Corinthians aplicou uma surra histórica no clássico contra o Santos. A partida realizada em 06/11/2005, no Pacaembu, foi uma das melhores atuações de Carlitos Tévez com a camisa do timão, que marcou três vezes naquela tarde. O endiabrado Nilmar foi outro que enlouqueceu a zaga do peixe, anotando dois gols.

4 – Manchester 8 x 2 Arsenal – Dia 28/08/2011 o Arsenal foi até Old Trafford enfrentar o United e sofreu um dos maiores chocolates da história recente do futebol. O time comandado por Wenger (que não conseguia acreditar naquilo que passava diante dos seus olhos) comeu o pão que Wayne Rooney amassou em uma aula de jogadas pelas laterais e contra-ataques dos diabos vermelhos com Nani e Young. Poderia ter sido mais para o ótimo time Alex Ferguson, futuro vice-campeão da Europa naquela temporada.

3 – Argentina 0 x 5 Colômbia – Sensação das eliminatórias para a Copa do Mundo de 1994, a Colômbia selou sua classificação de forma brilhante. O Monumental de Nuñez nunca esquecerá aquele 05/09/1993, em que Valencia, Rincón, Valderrama e Asprilla apresentaram de vez a qualidade do futebol colombiano ao mundo. Foi uma roda tão grande que Simeone e companhia não conseguiam nem fazer falta nos rivais.

2 – Real Madrid 2 x 6 Barcelona – No dia 02/05/2009, o Real Madrid, que jogava em casa, tinha a pretensão de diminuir para apenas um ponto a diferença em relação ao rival. Porém, a história foi bem diferente. O Barcelona era uma máquina de jogar futebol. Henry, Eto’o, Messi, Xavi, Iniesta realizaram uma partida antológica, transformando o grande Real em presa fácil. Foi um verdadeiro massacre. Poderia ter sido oito, quem sabe até dez gols dos catalães. Um chocolate sob a regência de Pep Guardiola. Esse mesmo time ganharia a Champions League dois meses depois.

1 – Brasil 1 x 7 Alemanha – A semifinal da Copa do Mundo de 2014, mais precisamente em 08/07/2014, marcou o maior constrangimento de todos os mundiais. Nem Willy Wonka seria capaz de imaginar um espetáculo de chocolate tão grandioso. Alguns chamaram de apagão, mas, na verdade, pode-se notar uma aula de futebol de uma equipe superior em todos os fundamentos do futebol. Sorte nossa que Kroos, Ozil, Müller e companhia tiraram o pé no segundo tempo, evitando estragos ainda maiores à imagem da Seleção Brasileira. Afinal, chocolate no time dos outros é refresco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você achou?

0 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

‘Ameaçados de extinção’, centroavantes e meias de armação ainda dão as cartas no futebol brasileiro

Conheça melhor Kylian Mbappé, a revelação da temporada 2016-17 no futebol europeu