segunda-feira, 10 de junho de 2013

Herança pesada: Heynckes entrega o Bayern à Guardiola como o melhor time do mundo

Pepe Guardiola volta a treinar o melhor time do mundo. Só que desta vez não estamos falando do Barcelona. O técnico espanhol irá comandar o Bayern de Munique, atual campeão da Champions League, Campeonato Alemão e da Copa da Alemanha.  Após uma temporada perfeita à frente do Bayern, Jupp Heynckes (68 anos) anunciou a sua aposentadoria do futebol.  A sua saída e a própria chegada de Guardiola à equipe alemã não foi nenhuma surpresa. Essa definição já havia acontecido há mais de seis meses. Mas, naquela época, o Bayern estava em baixa, havia perdido a Champions League em casa para o Chelsea e os Campeonatos nacionais para o rival Borussia Dortmund.

A grande ironia na história é que Guardiola assumirá a equipe exatamente com o mesmo objetivo alcançado pelo treinador anterior: levar os Bávaros ao topo do mundo. Desta vez, o espanhol precisa manter o clube no 1º degrau do futebol mundial, algo que ele fez com louvor no Barcelona durante alguns anos. Entretanto, a sua tarefa ficou muito mais pesada. Quando uma equipe chega ao seu auge, a tendência é o rendimento cair. Sem falar que você passa a ser o adversário que os demais times visam derrotar. Você se torna “o alvo”.

Mesmo no futebol europeu, onde a estabilidade dos treinadores é bem maior do que no Brasil, não é comum um técnico substituir outro comandante com histórico vencedor recente. Geralmente o técnico é demitido após uma sucessão de resultados ruins. É o chamado “bombeiro”. Bem diferente do atual panorama. Jupp Heynckes não só levou o time a títulos, como arrecadou diversos recordes nas competições em que venceu. Além do mais, as atuações do Bayern de Munique foram bastante contundentes. Basta lembrar a forma que os alemães derrotaram o Barcelona na UCL nas duas partidas.

Outro desafio de Guardiola será se adaptar ao estilo de futebol que Heynckes deu ao time. De início, será impossível realizar mudanças drásticas em uma equipe que beirou a perfeição na temporada passada. Sem falar que o Bayern atua de forma agressiva, veloz e objetiva. O Barcelona de Pepe era o exemplo da paciência, com muita posse de bola e troca de passes. Fica a curiosidade para ver como o técnico irá posicionar a equipe. A exigência também crescerá. Guardiola, que era um dos nomes cotados para assumir a Seleção Brasileira após a queda de Mano Menezes, terá o seu grande desafio e a chance de provar que o Barcelona não foi um caso isolado em sua carreira. Ele precisa de outro grande trabalho para entrar de vez na lista dos grandes treinadores de todos os tempos. É mais um atrativo para a próxima temporada na Europa.

0 comentários:

Postar um comentário