874

   

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Alex, o craque injustiçado da Seleção Brasileira

Sem dúvida, Alex é jogador mais injustiçado na Seleção Brasileira das últimas duas décadas. Ele surgiu como craque no fim dos anos 90, destacou-se no Coritiba e logo depois foi contratado pelo Palmeiras. Mesmo jovem, foi o cérebro do time campeão da Libertadores em 1999. Era da mesma geração que Ronaldinho Gaúcho. Aliás, faziam dupla na armação das jogadas na Seleção durante o comando de Vanderlei Luxemburgo. Hoje, com 35 anos e de volta ao clube que o revelou, ainda faz a diferença.

Alex é craque. Um legítimo camisa 10. Dono de passes perfeitos, jogadas geniais, inteligente e autor de muitos gols para um meia-armador, foi “esquecido” por diversos técnicos que passaram pela Seleção. O seu estilo clássico também chegou a ser rotulado por muitos jornalistas. Criou-se quase que um preconceito: “Alex dorme em campo, some da partida”. Pasmem, era chamado de “Alexotan”, uma referência ao remédio Lexotan, utilizado para dormir. Que grande bobagem! As passagens frustradas por Flamengo e Parma também atrapalharam a carreira do jogador do jogador, que perdeu espaço nas convocações.

Alex não atravessava o seu melhor momento em 2002, mas, de forma inexplicável, foi ignorado por Felipão na convocação para a Copa de 2002. Ironicamente, Scolari era o treinador do Palmeiras em 1999-2000, onde o “cabeção” fazia a diferença. Foi um duro golpe para o meia. O comandante preferiu Ricardinho, que era bom jogador, mas muito burocrático. Não tinha o talento de Alex. Começavam aí as injustiças.

Em 2003 Alex comeu a bola no Cruzeiro, que era comandado por Luxemburgo. Ganhou o Campeonato Mineiro, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. Aliás, naquele Brasileirão ele foi decisivo para o título da Raposa. Foi uma das poucas vezes que vi um jogador ser tão fundamental para um título nacional. Talvez a mesma que Edmundo no Vasco em 1997. Se Alex fosse do Santos, seria o Peixe quem levaria o caneco. Na época, quem comandava a Seleção era Carlos Alberto Parreira. Tava na cara que o treinador não era fã do futebol de Alex. Foi apenas convocado por pressão da imprensa. Mesmo assim, chegou a ser campeão da Copa América em 2004 como titular. Depois da transferência para o Fenerbahçe, da Turquia, foi aos poucos sendo esquecido da lista.

A escolha de jogar no futebol turco foi polêmica. Alex tinha futebol para jogar no Milan, Barcelona, Real Madri (achava, na época, que Luxa contrataria o jogador quando foi treinar o Real em 2004). A Turquia não tem a mesma visibilidade de outros países. Mesmo tendo jogado muito por lá e se tornado um dos grandes ídolos da história do clube, a repercussão no Brasil não era muito grande. Alex diz não ter se arrependido da transferência. Eu vejo por outro lado. Ele podia bem mais! 

Mesmo barbarizando na Turquia, Alex nunca foi chamado por Dunga, que assumiu a Seleção em 2006. O Brasil carecia de um meia-armador. Alex poderia ter sido esse jogador. Kaká estava lesionado. Ronaldinho em má fase. Não teve a oportunidade. Júlio Batista foi o escolhido. Nada contra o jogador, mas, o “cabeção” era de outro nível. Diferenciado.

Quando Alex anunciou que voltaria para o Brasil, diversos clubes tentaram contratar o craque. E, quando todos pensavam que a disputa estava entre Cruzeiro, Grêmio e Palmeiras, Alex optou por “voltar para a casa”. Retornou para o clube que o revelou. Mas, diferentemente de alguns ídolos que vem para o país de origem para se acomodar e tirar dinheiro dos clubes, Alex vem sendo figura de destaque no Coxa. Foi o melhor jogador do Campeonato Paranaense, onde o Coritiba se saiu vencedor. Agora, no Brasileirão, está mostrando que ainda tem “lenha para queimar”. Só não fez chover na 4ª rodada, contra o Fluminense. Marcou gol (seu 400º na carreira), deu passe, comandou o time... Não sei quanto tempo ainda Alex ainda vai desfilar o seu futebol, por isso, recomendo que assistam as partidas do Coxa neste Brasileirão. Como já falei algumas vezes, jogador com essas características estão em extinção. Fica aqui minha lembrança e homenagem a um dos maiores talentos que vi jogar: Alex, o craque que a Seleção não levou para um mundial. Azar da Copa do Mundo...

3 comentários:

  1. Anônimo30.6.13

    concordo com tudo que disse, alex é o cara... joga muito mais do q qualquer meia do elenco atual da seleçao brasileira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, amigo. Espero que continue lendo as colunas do blog e interagindo. Um abraço!

      Excluir
  2. Anônimo6.7.13

    Jogador fantástico, joga muito é o meia armador que a seleçao atual precisa.

    ResponderExcluir

Anúncio