874

   

terça-feira, 21 de maio de 2013

No futebol, a verdade de hoje é a mentira de amanhã!

Pode parecer contraditório. Mas, no futebol, a verdade de hoje é a mentira de amanhã. Por mais absoluta que ela seja. A passionalidade dos torcedores e a necessidade de gerar notícias (sejam elas positivas ou negativas) por parte da imprensa, modificam os fatos em 180 graus de uma hora para outra. Toda generalização é horrível. Entretanto, nestes casos, a maior parte dos envolvidos acaba sendo influenciada pelo meio ou interesses particulares. É claro que existe no meio disso tudo uma variável que pesa muito na balança: O RESULTADO DE CAMPO. O Resultado mascara tudo. A derrota e a vitória.

Ao fim do ano passado Luxemburgo levava o Grêmio à Libertadores da América (ou pré-Libertadores, como queiram). Aplaudido de pé por milhares de torcedores gremistas, a arquibancada gritava em couro: “Fica Luxemburgo, Fica Luxemburgo”. O técnico não era o preferido do novo presidente do clube, Fábio Koff. Porém, a pressão não deixou escolhas ao mandatário. Alguns meses depois e uma eliminação precoce na Libertadores, a torcida “pede a cabeça” do treinador. Luxemburgo é o mesmo do ano passado. Não mudou nada. O que mudou foram os resultados. Sem falar na expectativa e consequente frustração de uma torcida que não comemora nada importante há mais de uma década.

No Inter, Dunga deu um padrão de jogo mais competitivo à equipe. Gabriel e Willians foram os acréscimos. Mas, o futebol não é muito diferente do apresentado no Brasileirão do ano passado. As deficiências para fazer gol continuam, assim como a má fase (ou seria a verdadeira fase) de Leandro Damião permanece a mesma. Forlán continua alternando jogos bons e medíocres. A ausência de mais um jogador do meio que chegue ao ataque e faça gols também parece que não será solucionada tão cedo. Então, o que mudou? Resposta fácil: os resultados. Enfrentando equipes mais frágeis, o Inter vem conseguindo vencer. Algo que será mais complicado com o confronto contra adversários mais difíceis. Aí, Dunga será a “bola da vez” das críticas.

Neymar é outro exemplo. Ontem era um craque comparado a Messi, um monstro. Com a queda de rendimento, no time ruim do Santos, o jogador já está sendo chamado de cai-cai e pipoqueiro. Ronaldinho no Flamengo era ex-jogador. Agora, é apontado como o grande talento do futebol brasileiro. Até mesmo o Barcelona que parecia ser unanimidade está sendo contestado. Já ouvi falar que o time espanhol era uma enganação e que só trocam passes sem objetividade. Olha que estamos falando de um dos melhores times de todos os tempos.

Não adianta! O resultado parece ter o poder semelhante ao do famoso anel da série “O Senhor dos Anéis”: influencia tudo e muda a opinião de todos em segundos. Não acredite fielmente em tudo que você lê ou ouve. A probabilidade dessa “verdade absoluta” virar uma mentira em pouco tempo é grande. Assim é o futebol, passional e apaixonante. 

0 comentários:

Postar um comentário

Anúncio