sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Arsene Wenger: Estabilidade no emprego e salário milionário no Arsenal


Ter estabilidade no emprego e um salário alto é o sonho de qualquer pessoa. Imagine então ficar oito anos obtendo resultados negativos nas suas tarefas profissionais e, ainda assim, ser prestigiado pelo seu chefe. Esse cenário parece surreal. Mas, o técnico do Arsenal, Arsène Wenger, é o "sortudo" que passa por essa situação.

O francês de 63 anos comanda o time inglês desde 1996. São 17 anos atuando como o todo poderoso da equipe londrina. O caso é mais impressionante se levarmos em conta que estamos falando de um técnico de futebol. No Brasil, dois anos de trabalho para um treinador de futebol já é um tempo bastante expressivo. 

Wenger não é simplesmente o técnico do Arsenal. Ele tem plenos poderes para contratar e demitir jogadores, além de definir valores de compra e venda. Até mesmo as cifras dos salários dos boleiros passa pelo seu aval. Obviamente, ninguém entrega tamanhos poderes e responsabilidades para alguém a troco de nada. Ele obteve o posto de manager após realizar ótimos trabalhos. Com a filosofia de contratar jogadores jovens e ainda em formação (consequentemente bem mais baratos),  Wenger conseguiu formar times fortes e vencedores, com valores bem mais modestos do que os rivais.

Sob o comando do francês, o Arsenal venceu quatro vezes a copa da Inglaterra e a Supercopa inglesa. Entretanto, o maior feito foi sagrar-se tricampeão do Campeonato Inglês. O Auge aconteceu na temporada 2003-2004. O time que tinha Henry, Viera, Pires e Bergkamp foi campeão invicto. A formação de grandes estrelas do futebol ( Fábregas, Nasri, Van Persie, Cole, Wilshere...) também passa por Wenger.

Outro caso de longa permanência no comando de um time de futebol é Alex Ferguson, do Manchester United. O treinador está há 26 temporadas seguidas como técnico dos "Diabos Vermelhos". Porém, Ferguson apresenta uma sequência mais constante de títulos que Wenger. Ou seja, vence e vai continuando no clube.

Entretanto, o trabalho de Wenger já começa a sofrer fortes contestações. Há oito anos sem ganhar um título, a torcida está impaciente. A maioria das estrelas foi vendida e a reposição não veio à altura. Muitos reclamam que o treinador é "pão duro" e não gasta a verba que é destinada para contratar. Outros apontam que a estratégia de formar novos talentos não funciona mais. O certo é que o proprietário e os acionistas do Arsenal (é comum que na Europa haja donos de clubes), apesar da pressão, não pensam em demitir Arsène Wenger. Na verdade, já cogita-se uma renovação de contrato do treinador até 2016. Hoje, o salário anual dele beira os 4,7 milhões de euros. Certamente essa estabilidade profissional é rara, principalmente se levarmos em conta os últimos oito anos de derrotas de Wenger. 

Infelizmente para nós "mortais" não existe concurso para técnico do Arsenal. Certamente seria um cargo bem concorrido e amplamente disputado.

1 comentários:

  1. Bah, aquele time de 2004 era mesmo imbatível no Winning Eleven... hehehe.. Foi vice da Champions em 2006, perdeu pro super Barça, que perdeu pro Inter do Ediglê, Michel e Gabirú. Vai entender o futebol...

    ResponderExcluir